Home » , , , , , » Estrutura da redação do Enem - o que fazer na introdução, no desenvolvimento e na conclusão?

Estrutura da redação do Enem - o que fazer na introdução, no desenvolvimento e na conclusão?

Para que você possa redigir com proficiência, antes de se preocupar com o texto na íntegra, a macroestrutura, você precisa estar apto a redigir ou organizar a chamada microestrutura. Se a macroestrutura é o texto inteiro a microestrutura será o parágrafo. 

Logo, você só vai saber fazer redação se você souber construir o parágrafo.

Para início de conversa, não é só a redação que apresenta introdução, desenvolvimento e conclusão. Também é aspecto do parágrafo a apresentação de introdução, de desenvolvimento, e de forma facultativa, a conclusão.
Você deve começar o seu parágrafo com uma afirmação. Prossegue para o desenvolvimento confirmando aquilo que foi afirmado. Na conclusão você faz uma reafirmação.

O que fazer na introdução
Vamos começar fazendo uma afirmação sobre o tema.
  • É possível afirmar que Maria é uma grande amiga que tenho”.
Eu acabei de produzir uma tese, uma afirmação. Isso não é suficiente para formar um parágrafo. Antes de colocar o ponto final, após a afirmação que é a tese, você precisa apresentar os argumentos, ou seja, elementos confirmadores de que Maria de fato é uma grande amiga que tenho. 
  • “É possível afirmar que Maria é uma grande amiga que tenho, visto que é uma pessoa confiável e que se preocupa comigo.”
Então,
  • Tese: Maria é uma grande amiga que tenho
Qual foi a razão para eu chegar a essa conclusão?
  • Argumento 1: é uma pessoa confiável
  • Argumento 2: trata-se de alguém que se preocupa comigo
E se você quiser usar 3 argumentos não tem problema. Mas você precisa saber que quando a banca chega para corrigir o seu texto, ao ler o primeiro parágrafo ela já sabe quantos parágrafos no total o seu texto deve apresentar. Sim, porque, uma redação dissertativo-argumentativa tem como estrutura fixa o primeiro parágrafo que é a introdução e o último parágrafo que é a conclusão.
Assim, só pode variar o número de parágrafos no desenvolvimento da macroestrutura e este, acontece de acordo com o desenvolvimento da microestrutura. Então, se você colocar dois argumentos no primeiro parágrafo você será obrigado a colocar dois parágrafos no desenvolvimento; se você colocar três argumentos na introdução, obrigatoriamente terá três parágrafos no desenvolvimento.
O que fazer no desenvolvimento
No primeiro parágrafo do desenvolvimento você deve voltar e se aprofundar no primeiro argumento da introdução. No segundo parágrafo do desenvolvimento você deve voltar e se aprofundar no segundo argumento da introdução.
Por exemplo:
Se eu digo que “João é um bom pai, tendo em vista a educação de Pedro e de Flávia”, no primeiro parágrafo tenho que provar que Pedro é educado e no segundo, que Flávia é educada.
Procure usar, no desenvolvimento, exemplos da realidade. Não fique filosofando sobre o assunto, sobre conceitos, etc. Cite exemplos retirados da realidade que confirma o fato de Maria ser confiável, confirma os argumentos que embasaram a tese na introdução. É objetividade, é fato. Você usa argumentos para comprovar argumentos.
  • “Relativo à confiança que tenho em Maria, assim que me mudei para a comunidade onde moro, sem querer, atropelei o cachorro do bandido. Maria presenciou, me ajudou a esconder o cachorro morto e não contou para ninguém.”
  • “No que se refere à preocupação de Maria, estive doente, ela me visitava todos os dias, quando não me ligava e por vezes ainda me levava remédios.”
DICAS:
  • Jamais fale sobre dois argumentos no mesmo parágrafo. Isso desorienta a correção da banca.
  • Jamais divida ou desenvolva um argumento em dois parágrafos. Isso desorienta a organização do seu texto.
  • Desenvolva um parágrafo para cada argumento. É simples assim.
O que fazer na conclusão
O Enem exige do candidato a sugestão de uma intervenção social. Se o texto aborda algum problema, você deve sugerir uma intervenção, uma solução, alguma atitude ou do governo, ou da sociedade em geral, ou da família, em relação ao tema abordado. Essa sugestão de solução pode ser apresentada na introdução ou na conclusão. O melhor lugar é na conclusão.
Você deve fazer uma declaração, que reafirma o que você disse antes, por exemplo:
  • “Dessa forma, Maria é alguém de grande importância no meu círculo de amizade. Bom seria que todos os cidadãos que tenham amigos, tratassem o próximo como Maria me trata.”
3 orientações para apresentar uma boa proposta de intervenção na redação do Enem
1. Fuja das propostas vazias
Professores afirmam que nove em cada dez redações apresentadas no Enem e vestibulares são encerradas por passagens como "precisamos nos conscientizar de que", "os pais precisam se conscientizar", "o governo deve conscientizar os cidadãos". Não há mal algum em imaginar que a tomada de consciência é o primeiro passo para mudanças. Mas se essa fosse a cura para todas as doenças, bastaria realizar milhares de campanhas de conscientização para sanar todos os problemas do mundo.
O Enem espera algo mais dos candidatos. Valoriza propostas de intervenção particulares, ou seja, soluções para questões específicas. "Consciência todos devem ter, mas da consciência é preciso partir para a ação. Pense em quais atitudes concretas devem ser tomadas para que o problema seja resolvido", diz Eclícia Pereira, coordenadora de redação do Cursinho da Poli.
Confira a seguir dois exemplos, uma proposta vaga e outra mais elaborada, que tratam dos desafios para a educação do Brasil:
  • "É fundamental que o país tenha uma educação melhor"
  • "É fundamental melhorar o ensino básico público, expandir o ensino técnico e facilitar o ingresso de pessoas mais pobres ao ensino superior"
Explicação do professor: O Enem pede uma proposta detalhada de intervenção. Dessa forma, a proposta de número 2 é mais efetiva do que a primeira: ela não diz apenas que a educação dever ser melhor, mas sugere o que deveria ser feito para alcançar esse objetivo.
2. Apresente soluções realistas
Antes de apresentar sua solução ao problema proposto pela redação, é preciso refletir se sua sugestão poderia de fato ser colocada em prática. O professor Francisco Platão Savioli, do Anglo Vestibulares, conta que é comum alunos mostrarem propostas inexequíveis ou mesmo delirantes.
Entenda a diferença entre os dois tipos de propostas nos exemplos a seguir, que tratam do combate à violência:
  • Proposta pouco efetiva "A violência só será resolvida quando os cidadãos se convencerem de que são todos irmãos e precisam respeitar uns aos outros."
  • Proposta efetiva "Para combater a violência é preciso ampliar o número de policiais nas ruas, assim como treiná-los intensivamente."
3. Assuma a responsabilidade pela solução apresentada
Um erro bastante comum entre os estudantes é terceirizar o problema, ou seja, atribuir a outro a responsabilidade pela solução da questão apresentada na redação. Por exemplo: o candidato afirma que a sociedade deve atentar para o alto índice de trabalho infantil. Contudo, se esquece de deixar claro que também faz parte dessa sociedade e, por isso, tem sua parcela de responsabilidade.
Tema do Enem 2011: "Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado"
Exemplos de soluções: 1. O governo deve verificar se as informações publicadas na internet estão sendo usadas de forma a não ferir a privacidade de cada um. 2. As pessoas devem sempre lembrar que uma informação publicada na internet estará disponível a todo mundo e eternamente em circulação. 
Explicação da professora Eclícia Pereira, coordenadora de redação do Cursinho da Poli: A proposta 2 é melhor. Não faz sentido o governo ter que vigiar tudo o que é publicado na internet. A responsabilidade de gerir informações entre público e privado é das pessoas que expõem seus dados na rede.

0 comentários:

Postar um comentário