Home » , , , , » As 5 competências avaliadas na redação do Enem: Como são corrigidas as provas?

As 5 competências avaliadas na redação do Enem: Como são corrigidas as provas?

A redação do Enem é tão importante quanto a prova objetiva. A pontuação dos candidatos nessa prova varia de 0 a 1.000 pontos. Se você obtiver um zero nela fica automaticamente impossibilitado de disputar vagas oferecidas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e pelo Programa Universidade para Todos (ProUni). Ou seja, se você não for capaz de dissertar estará fora das universidades federais, estaduais e até privadas que usam o Enem como processo seletivo. Por outro lado, quem se sair bem na construção da redação pode avançar na competição por uma das vagas, com maiores chances de sucesso.
O primeiro ponto a entender é qual é, afinal, o caráter da redação proposta no Enem. Em resumo, qual o "jeitão" da prova e o que os examinadores querem medir com ela. O exame federal apresenta um tema e exige do candidato a redação de um texto do tipo dissertativo, ou seja, aquele que analisa e debate a ideia proposta utilizando argumentos para justificar uma opinião adotada. O texto deve ter no mínimo 6 e no máximo 30 linhas.
Dissertação é um texto em que você deve afirmar uma posição. É importante lembrar que, pela natureza da prova, outros tipos de textos, como narração, descrição, injunção, diálogo, poemas ou letras de música não são aceitos - e também pode zerar a sua redação. Com essa estrutura, os examinadores tentam medir as seguintes cinco habilidades dos estudantes:
1)      Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa;
2)      Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa;
3)      Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.;
4)      Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação;
5)      Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
Antes de comentarmos as cinco competências do ENEM, esclarecemos que a prova de redação vale 1.000 pontos no total (dividindo esse valor entre os 5 aspectos, cada um deles tem peso de 200 pontos). No resultado final da prova, a redação tem peso de 20%. Para você entender melhor cada nível dentro das competências, visualize a seguinte pontuação:
  • Não considerada: 0 pontos
  • Precário: 40 pontos
  • Insuficiente: 80 pontos
  • Mediano: 120 pontos
  • Bom: 160 pontos
  • Ótimo: 200 pontos

Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa

O exame exige que o candidato escreva de acordo com a norma culta. Isto significa observar a correção gramatical, usar as palavras com precisão e evitar marcas de oralidade. É preciso muito cuidado, por exemplo, com a grafia das palavras, os sinais de pontuação e os desvios morfossintáticos. Entre estes últimos, são comuns os problemas com o uso de pronomes e verbos.
É importante atentar para as marcas de oralidade. Na prática, isso significa que a banca quer medir a capacidade do estudante de diferenciar os registros oral e escrito da nossa língua.
Em nossas conversas em casa, no trabalho, no laser, na internet, nosso discurso muitas vezes é impreciso e fragmentado. Mas as pessoas com quem conversamos compreende o que estamos falando graças ao contexto da conversa.
Na escrita em geral e, principalmente na redação, contudo, tudo ocorre de forma diferente. É preciso cuidar para que todas as informações estejam explicitadas no texto. No caso da redação do Enem, você precisa tomar todos os cuidados necessários para que seu texto seja o mais claro e organizado possível, uma vez que o leitor (o examinador do Enem, no caso) não tem dados prévios do assunto abordado e tampouco receberá informações adicionais.
Por isso, na redação, você deve se esmerar em ser absolutamente claro em relação à mensagem que pretende transmitir para não exigir do corretor um esforço de interpretação acima do comum. Ele jamais poderá adivinhar o que você está pensando.
  • Não considerada: 0 pontos - O candidato tem essa competência desconsiderada (ou seja, tira nota zero neste item), quando mostra total falta de conhecimento da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa.
  • Precário: 40 pontos - O desempenho é considerado precário quando são notados desvios gramaticais graves e recorrentes, que passam pela ortografia, pontuação, concordância, acentuação e assim por diante. Além disso, o candidato que recebe essa qualificação apresenta no texto muitas gírias e marcas de oralidade.
  • Insuficiente: 80 pontos - É insuficiente o desempenho do candidato nesta competência quando são notados muitos desvios gramaticais, como escolha de registro e de convenções de escrita e ainda muito traço de oralidade e algumas gírias ao longo da construção textual.
  • Mediano: 120 pontos - A avaliação mediana considera que o aluno teve alguns desvios da Língua Portuguesa — mesmo que sejam poucos erros considerados graves ou gravíssimos, ou, ainda, vários deslizes leves. O fato de não haver uso adequado da concordância verbal ou nominal não impede o candidato de enquadrar-se nesse nível na referida competência, desde que não sejam configuradas falta de domínio da norma culta.
  • Bom: 160 pontos - O candidato que possui um bom nível nessa competência traz no texto poucos desvios gramaticais leves. Até por isso se há uma falha ou outra de concordância verbal ou nominal na prova de redação, é dado um peso menor, por entender que o aluno compreendeu o conteúdo e trata-se de uma falha eventual.
  • Ótimo: 200 pontos - No caso de um desempenho ótimo, o estudante demonstra um excelente domínio da Língua Portuguesa, com pouco ou nenhum desvio gramatical (são aceitos em caso de excepcionalidade, ou seja, quando não há reincidência do erro no mesmo texto).

Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa

Compreender a proposta significa saber o que a banca pede. A segunda competência avaliada pelo Enem verifica se o aluno sabe o que é um texto dissertativo, se ele entendeu o tema que lhe foi proposto e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento.
Tratar do assunto apresentado pela prova parece uma tarefa muito fácil, mas um grande número de candidatos se desviam dela ou fogem do tema. É bom lembrar aqui que inadequação ao tema proposto rende nota zero na redação.
A primeira orientação para evitar fugir do tema é ler atentamente todos os textos de apoio da redação, a partir dos quais o aluno deve selecionar os tópicos que considere relevantes para formular seu ponto de vista e construir a argumentação. Esses textos, é bom lembrar, jamais devem ser copiados. Deixar os textos de apoio de lado, concentrando-se apenas no enunciado da proposta de redação é um erro gravíssimo.
Além de avaliar a escrita, a prova de redação também avalia a leitura. Se houver uma consonância entre os textos motivadores e a sua redação o corretor vai perceber que você foi capaz de compreender as informações principais.
Outro erro que você deve evitar e que é bastante prejudicial para a sua nota final é tangenciar o tema proposto. Isto é, abordá-lo superficialmente ou em parte.
  • Não considerada: 0 pontos - O desempenho é desconsiderado completamente (nota zero) quando o autor do texto foge completamente ao tema e não apresenta a estrutura completa da dissertação argumentativa, tipo de texto exigido para a prova do ENEM.
  • Precário: 40 pontos - O desempenho precário é percebido pelos avaliadores quando o inscrito apresenta o tema, mas tangencia o assunto. Trocando em miúdos: fica numa superficialidade que beira o desconhecimento do tema (um forte indício de que faltaram condições de interpretação). Outra característica da redação enquadrada nesse nível é apresentar traços constantes de outros tipos textuais (tais como narração ou descrição, por exemplo).
  • Insuficiente: 80 pontos - A avaliação é considerada insuficiente nesta competência quando o candidato reproduz cópia de trechos do material de apoio (também conhecidos como textos motivadores). Outra percepção dos examinadores é a ausência da estrutura textual dissertativa-argumentativa, sem ter claros os aspectos de introdução, argumentação e conclusão.
  • Mediano: 120 pontos - Mediana é a qualificação atribuída aos candidatos com argumentação óbvia ou previsível e com mais clareza sobre a estrutura de redação exigida na prova do ENEM, embora ainda não apresente com propriedade os componentes desse tipo textual.
  • Bom: 160 pontos - O desempenho é considerado bom quando o inscrito possui uma argumentação consistente, com linha de raciocínio que atende ao formato do texto dissertativo-argumentativo, passando pela proposição, argumentação e conclusão.
  • Ótimo: 200 pontos - O desempenho máximo, ou ótimo, é atribuído pelos avaliadores quando há argumentação consistente, notada a partir de um repertório sociocultural e com zelo e domínio das etapas que compõem o tipo de texto da prova do ENEM.

Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

A terceira competência do Enem se refere à organização e à inteligibilidade do texto. Mais precisamente, à sua coerência. A redação deve expor claramente a tese, ser congruente na sua estrutura e apresentar fatos, opiniões ou propostas que não entrem em contradição com a realidade. Daí se falar numa coerência interna e numa coerência externa. A primeira depende da articulação dos componentes textuais. Os períodos devem se articular uns com os outros no parágrafo, que por vez deve estar logicamente ligado ao parágrafo seguinte.
  • Não considerada: 0 pontos - A nota zero é atribuída à prova de redação do candidato que apresenta informações, fatos e opiniões não relacionados ao tema, sem que haja defesa de ponto de vista.
  • Precário: 40 pontos - O desempenho precário do inscrito é percebido quando há pouca relação dos dados apresentados com o tema e, ainda, opiniões incoerentes, que levam o autor a não defender um ponto de vista.
  • Insuficiente: 80 pontos - O nível insuficiente é entendido pelos examinadores quando há exposição de informações e fatos sobre o tema, mas de maneira desorganizada e contraditória. Outro elemento percebido é que o conhecimento apresentado restringem-se aos dados trazidos nos textos motivadores.
  • Mediano: 120 pontos - É considerado mediano o texto que traz informações, fatos e opiniões relacionamentos ao tema, mas ainda centrados apenas nos argumentos propiciados pelos textos de apoio.
  • Bom: 160 pontos - O que difere da redação que recebe uma avaliação boa nesta competência. Nela, o inscrito traz o conteúdo dentro do tema, de maneira organizada, e com indícios de autoria e defesa de ponto de vista.
  • Ótimo: 200 pontos - O ótimo desempenho é notado quando o candidato traz os dados todos totalmente relacionados ao assunto proposto, de modo organizado e consistente.

Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

A quarta competência do Enem trata dos mecanismos linguísticos necessários para construir a argumentação. Tais mecanismos visam assegurar a unidade textual por meio do adequado emprego dos elementos coesivos.
Promove-se a coesão pela retomada ou antecipação dos termos e pela adequada sequenciação das orações, períodos e parágrafos. Daí se falar numa coesão referencial e numa coesão sequencial. A primeira se faz por meio de vocábulos da gramática (pronomes, numerais, verbos, advérbios) ou do léxico (sob a forma de elipses, sinônimos, hiperônimos, metonímias, anáforas definicionais etc.). A segunda, mediante vocábulos de ligação (conjunções, proposições, operadores argumentativos). Para manter a coesão referencial é preciso cuidado ao usar os vocábulos que retomam ou antecipam partes do discurso. Deve existir uma rigorosa adequação formal entre esses vocábulos e seus referentes.
Mesmo que você demonstre um português corretíssimo e não fuja da proposta dada, é fundamental que defenda no texto sua opinião, seu ponto de vista. Os argumentos são os grandes responsáveis por estruturar a redação e fornecer aos corretores elementos para avaliá-la. Podem, dessa forma, sustentar ou arruinar uma nota.
Para uma boa argumentação, é fundamental que você tenha um bom repertório. Esse repertório, por sua vez, é formado pelo conhecimento e pelas experiências que você acumulou durante toda a sua vida.
O repertório é cumulativo e deve ser enriquecido dia a dia, com leituras sobre o maior número de assuntos possíveis e também experiências individuais, além de uma boa capacidade de observação e reflexão.
Para se dar bem na tarefa de argumentar na prova de redação siga três orientações dos especialistas: apresente ideias próprias, não ignore opiniões contrárias e escolha explicações que tenham maior potencial de apelo e convencimento.
Não se limite a expor apenas os fatos, mas se comprometa a sustentar um ponto de vista com base em bons argumentos.
  • Não considerada: 0 pontos - A nota zero é atribuída ao texto que não dispõe de marcas de articulação e com ideias totalmente fragmentadas, sem apresentar uma ordem lógica e clara.
  • Precário: 40 pontos - O desempenho precário é percebido nas redações cujos autores apresentam as informações um pouco mais coesas, mas ainda bem fragmentadas.
  • Insuficiente: 80 pontos - Já o nível insuficiente desta competência é notado em textos que apresentam inadequações na formatação e pouco conhecimento de recursos de coesivos (conjunto de mecanismos linguísticos que ajudam a estabelecer relações de sentido no texto).
  • Mediano: 120 pontos - Os examinadores qualificam como mediana, nesta competência, a redação que apresenta articulação das partes do texto abaixo do adequado, cujo repertório do autor é pouco diversificado dos recursos que dão lógica e clareza.
  • Bom: 160 pontos - Diferentemente do candidato que tem um desempenho bom neste item. Eles reproduzem no texto poucas inadequações de argumentação e trazem, com clareza, as informações e repertório diversificado.
  • Ótimo: 200 pontos - No quesito, é enquadrado como ótimo o inscrito que consegue articular muito bem o texto, utilizando-se de conhecimento diversificado sobre o assunto e com vários recursos que garantem a lógica e clareza.

Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos

A quinta e última competência avaliada na redação do Enem diz respeito à capacidade dos estudantes de apresentar uma solução (ou ao menos intervenção) para o problema apresentado pelos examinadores. Com isso, procura-se avaliar a capacidade que tem o candidato de passar da teoria à prática.
A banca ressalta a necessidade de que a proposta considere “os pontos abordados na argumentação (e mantenha) vínculo direto com a tese desenvolvida no texto e coerência com os argumentos utilizados” (Guia do Participante, p. 22). A unidade textual se romperá caso o candidato apresente propostas que nada tenham a ver com o que foi discutido.
Aqui é o momento de você deixar claro que não está alheio às questões apresentadas. Mostre que, ao mesmo tempo em que você vive no mundo, você também o constrói.
Concluir a dissertação mostrando indiferença é pedir para receber nota baixa. Expressões como "não há nada o que ser feito diante disso", "não adianta querermos mudar a situação", "o mundo é assim desde que é mundo" ou "não há solução" são improdutivas e, por isso, jamais devem aparecer na sua redação.
Não importa se você é contra ou a favor de determinado ponto de vista – o fundamental é propor uma forma de intervir no problema dado.
  • Não considerada: 0 pontos - Os textos que têm nota zero nessa competência não apresentam proposta de intervenção ou a que é trazida pelo autor não faz relação nenhuma ao tema tratado.
  • Precário: 40 pontos - É encaixada no nível precário a redação que apresenta uma proposta de intervenção vaga ou muito abrangente, relacionada apenas ao assunto central.
  • Insuficiente: 80 pontos - Já no item insuficiente, o candidato traz uma proposta que não está articulada com a discussão desenvolvida no texto.
  • Mediano: 120 pontos - O desempenho mediano é atribuído ao aluno que traz ao texto uma proposta de intervenção mais conectada ao tema e à argumentação trazida.
  • Bom: 160 pontos - O que difere dos que se enquadram na avaliação boa, cuja redação dispõe de uma proposta ligada ao tema e é mais sintonizada ao que foi relacionado nas linhas anteriores.
  • Ótimo: 200 pontos - E, por fim, o desempenho ótimo é atribuído aos estudantes que apresentam uma proposta de intervenção detalhada e com total relação ao assunto central, alinhavando aquilo que foi trazido pelo autor ao longo de seu texto.

0 comentários:

Postar um comentário