Verbos - flexões e emprego de tempos e modos

Flexões, tempo e modo
O verbo é a palavra que apresenta o maior número de flexões: modo, tempo, número, pessoa, voz e aspecto. 

Flexão de modo
Corresponde às diferentes formas apresentadas pelo verbo, a fim de indicar a atitude que o falante assume em relação ao processo verbal (certeza, dúvida, ordem, etc.).

São três os modos verbais:
  • INDICATIVO - Revela uma atitude objetiva do falante em relação ao processo verbal, apresentando o fato expresso pelo verbo como certo, preciso, seja ele passado, presente ou futuro.
    • Ex.: Cláudia ama sua família.
  • SUBJUNTIVO - Revela uma atitude subjetiva do falante em relação ao processo verbal, permitindo a expressão de estados emocionais como dúvida, desejo, etc.
    • Ex.: 
      • Jéssica falou que talvez vá ao shopping.
      • Mariana quer que a convidem para a festa.
      •  Se Bianca quisesse, venceria a competição.
  • IMPERATIVO - Revela uma atitude de interferência do falante sobre o interlocutor, exprimindo mando, solicitação, conselho, sugestão, súplica ou convite. No imperativo, o falante sempre se dirige a um interlocutor, por isso esse modo só possui as formas que admitem um interlocutor (segundas e terceiras pessoas, além da primeira do plural).
    • Ex.:                                                                                                fonte imagem
      • verbos
      • faça-me um favor. (pedido)
      • Tenha paciência. (conselho)
      • Saia daqui! (ordem)
2) Flexão de tempo
O processo expresso pelo verbo pode-se situar em três tempos: presente, pretérito e futuro. A possibilidade de flexão temporal é fundamental para definir uma palavra como verbo.                                                                     
  • Pretérito: Exprime um processo que ocorre no momento em que se fala.
    • Ex.: Agora, ele entrega a recompensa.
  • Pretérito: exprime um processo que ocorreu anteriormente ao momento em que se fala.
    • Ex.: Ontem, ele entregou a recompensa.
  • Futuro: Exprime um processo que deverá ocorrer posteriormente ao momento em que se fala.
    • Ex.: Amanhã, ele entregará a recompensa.
Tempos simples e tempos compostos
Quanto à forma, o tempo pode ser simples e composto.
  • Simples - Formado por um só verbo.
    • Ex.: Ela chegou tarde.
  • Composto - Formado pelo verbo ter (ou haver) e um particípio.
    • Ex.: 
      • Ela tinha chegado tarde.
      • Havíamos chegado cedo.
Tempos compostos: verbo + particípio
  • Modo indicativo
    • Pretérito perfeito - presente do indicativo + particípio
      • Ex.: tenho/hei estudado, vencido
    • Pretérito mais-que-perfeito - pretérito imperfeito + particípio
      • Ex.: tinha/havia estudado, vencido
    • Futuro do presente - futuro do presente + particípio
      • Ex.: terei/haverei estudado, vencido
    • Futuro do pretérito - futuro do pretérito + particípio
      • Ex.: teria/haveria estudado, vencido
  • Modo subjuntivo
    • Pretérito perfeito - presente do subjuntivo + particípio
      • Ex.: tenha/haja estudado, vencido
    • Pretérito mais-que-perfeito - imperfeito do subjuntivo + particípio
      • Ex.: tivesse/houvesse estudado, vencido
    • Futuro do presente - futuro do subjuntivo + particípio
      • Ex.: tiver/houver estudado, vencido
Emprego de tempos e modos
  • Presente do indicativo
    • Indica fatos ou estados permanentes, bem como exprime uma verdade científica, absoluta, um axioma.
      • Ex.: O Sol é um astro.
    • Exprime ação habitual.
      • Ex.: Não trabalho aos domingos.
    •  Dá atualidade a fatos ocorridos no passado (presente histórico).
      • Ex.: D. Pedro proclama a Independência do Brasil, em sete de setembro de 1822.
    • Indica fato futuro bastante próximo, quando se tem certeza de que ele ocorrerá.
      • Ex.: Amanhã envio as encomendas.
    • Substitui o imperativo, indicando, numa linguagem afetuosa, mais um pedido que uma ordem.
      • Ex.: Você me faz um favor? (Faça-me um favor.)
  • Pretérito imperfeito do indicativo
    • Exprime um fato anterior ao momento em que se fala, mas não o toma como concluído, acabado. O pretérito imperfeito expressa uma ação habitual, rotineira. Utiliza-se o pretérito imperfeito do indicativo não para dizer que se fazia alguma coisa no passado, mas para mostrar um sentimento, que se tinha o hábito de fazer aquilo, que era comum fazer determinada coisa. Ao contrário do pretérito perfeito que expressa uma ação, não habitual, acabada (Eu fiz o concurso da Prefeitura e tirei dez).
      • Ex.:  
        • Ele falava muito durante as aulas.
        •  Quando me convidavam, eu comparecia.
        • Ele praticava esporte, estudava artes e trabalhava.
  • Pretérito perfeito do indicativo
    • Exprime um fato passado, apresentando-o como concluído, acabado, não habitual, ação momentânea, definida no tempo.
      • Ex.: 
        • Ontem oncluí todos os trabalhos.
        • Quando me convidaram, eu compareci.
        • Ele praticou esporte, estudou artes e trabalhou.
  • Pretérito mais-que-perfeito do indicativo
    • Exprime um fato passado já concluído, tomado em relação a outro fato também passado.
      • Ex.: Eu concluíra todos os trabalhos, quando você chegou.
      • Obs.:  Suponha que você tenha concluído todos os trabalhos às 9h. Às 10 horas seu colega chega. Às 11h ele pergunta: "Terminou o trabalho?" Então você responde: "Eu concluíra (9h) todos os trabalhos, quando você chegou (10h)", ou seja, "Quando você chegou eu já tinha (havia) concluído todos os trabalhos". Observe que são duas ações no passado, só que uma acontece antes da outra. Isso é pretérito mais-que-perfeito.
  •  Futuro do presente do indicativo
    • Exprime um fato posterior ao momento em que se fala, tomando-o como certo ou provável. Se é 'indicativo' expressa uma ação real, certa, se é 'futuro do presente' eu tenho a certeza no futuro.
      • Ex.: Amanhã, aprovarão as leis na Câmara.
    • Exprime dúvida ou incerteza sobre fatos atuais.
      • Ex.: Será que ainda se lembram de mim?
    • Exprime um desejo ou uma ordem, caso em que possui valor imperativo.
      • Ex.: Não matarás!
  • Futuro do pretérito do indicativo
    • Exprime um fato futuro tomado em relação a um fato passado.
      • Ex.: Ele me garantiu que não iria à reunião.
    • Exprime dúvida ou incerteza sobre fatos passados.
      • Ex.: Naquela época, ele teria uns quarenta anos.
      • Obs.: O futuro do pretérito do indicativo é o único tempo verbal que pode realmente indicar dúvida ou incerteza, pois vincula uma opção futura a uma condição.
    • Indica desejo presente, na linguagem polida.
      • Você me faria uma favor?
    • Indica surpresa ou indignação em certas frases interrogativas e exclamativas.
      • Ex.: Nunca diria uma coisa dessas!
    • Indica fatos não realizados, ou que não se realizarão, dependentes de condição.
      • Ex.: Se você estudasse mais, passaria nas provas.
  • Presente do subjuntivo
    • Empregado sobretudo nas orações subordinadas (dependentes), podendo expressar fatos presentes ou futuro.
      • Ex.: 
        • É justo que eles fiquem. (presente)
        • Desejo que todos compareçam. (futuro)
        • Obs.: Pode-se usar o presente para esternar fatos futuros. Observe que essas ações ainda não aconteceram, mas que certamente acontecerão.
  • Imperfeito do subjuntivo
    • Pode indicar uma ação passada, presente ou futura em relação ao verbo da oração principal.
      • Ex.: 
        • Se neste momento eu tivesse coragem, contaria toda a verdade. (presente)
        • Mesmo que saísse antes, não teria chegado a tempo. (passado)
        • Ficaria feliz se ele fosse à minha casa. (futuro)
  • Futuro do subjuntivo
    • Empregado em orações subordinadas (dependentes) para indicar eventualidade no futuro.
      • Ex.: Farei o trabalho se tiver tempo.

Outras flexões do verbo
  • Flexão de número - O verbo pode-se apresentar no singular ou no plural, sempre concordando com o sujeito da oração.
  • Flexão de pessoa - O verbo flexiona-se em pessoa - 1ª (eu/nós), 2ª (tu/vós), 3ª (ele/elas) -, concordando com o seu sujeito. Se na frase não houver sujeito, o verbo permanece na terceira pessoa do singular (verbos impessoais).
  • Flexão quanto ao aspecto - Associada diretamente ao sentido expresso pelo verbo, caracterizando o momento em que a ação é apresentada (início, meio ou fim). Sugere um valor semântico diferenciado para o verbo.
    • Alguns exemplos: 
      • Aumentativo (ideia de exagero, aumento)
        • esbravejar, de bravejar
      •  Diminutivo (há noção de diminuição)
        • bebericar, de beber
      • Frequentativo ou iterativo (indica repetição do processo, reiterado de frequência)
        • balancear, pestanejar, clarear
      • Incoativo (indica começo de ação ou de processo)
        • alvorecer, iniciar, amanhecer, nascer
      • Conclusivo (final de ação ou processo)
        • chegar, parar, terminar
      • Imitativo ou onomatopaico (ação própria dos nomes de que derivam)
        • engatinhar (de gato), corvejar (de corvo)
  • Flexão de voz - Dependendo da relação com o seu sujeito, o verbo pode estar na voz ativa, na voz passiva ou na voz relexiva.
    • Voz ativa - O sujeito é quem pratica a ação, é o agente da ação expressa pelo verbo, chamado de sujeito ativo.
      • Ex.: 
        • Cláudia pintou m quadro.
        • Cláudia havia pintado um quadro.
    • Voz passiva - O sujeito é o elemento que sofre a ação verbal. Pode ser analítica ou sintética.
      • Analítica: apresenta 2 ou mais verbos (verbo auxiliar + verbo principal no particípio)
        • Ex.: 
          • Um quadro foi pintado por Cláudia.
          • Um quadro havia sido pintado por Cláudia.
          • Obs.: sujeito paciente/passivo = "Um quadro". Agente da passiva = "por Cláudia".
      • Sintética ou Pronominal: apresenta verbo + se (partícula apassivadora)
        • Ex.:
          • Pintou-se um quadro.
          • Havia-se pintado um quadro.
    • Voz reflexiva - Ocorre quando o sujeito pratica e sofre a ação expressa pelo verbo. (SE - pronome reflexivo).
      • Ex.: 
        • Lucas olhava se no espelho. (indica reflexividade = a si mesmo)
        • Os convidados cumprimentaram-se. (indica reciprocidade = uns aos outros)

0 comentários:

Postar um comentário