Advérbios

1. Conceito
Advérbios são palavras invariáveis que indicam circunstâncias em que ocorre a ação verbal, além de modificar adjetivos, verbos ou outros advérbios.

Exemplos:
  • Nós estudamos muito.
  • Ela é bastante inteligente.
  • Seu amigo dança muito bem.
OBSERVAÇÃO: Na frase "Ele comprou muita coisa" existe advérbio porque "coisa" é substantivo e o advérbio não modifica substantivos.


LEMBRE-SE!
O ADVÉRBIO MODIFICA UM ADJETIVO, UM VERBO OU OUTRO ADVÉRBIO, NUNCA UM SUBSTANTIVO.

2. Locuções adverbiais Locuções adverbiais são duas ou mais palavras com valor de advérbio. Exemplos:
  • às vezes
  • às pressas
  • à direita
  • à noite
OBSERVAÇÃO: É importante não confundir locução adverbial com locução prepositiva. A locução prepositiva termina com preposição (com, a, de).
Exemplos:
  • Paola preferia ver tudo de perto. (a maneira, o modo de ver, locução adverbial)
  • Keia estava perto de atingir seus objetivos. (locução prepositiva)
 3. Classificação dos advérbios
Os advérbios são classificados conforme a circunstância que expressam: de lugar, de tempo, de modo, de negação, de dúvida, de intensidade e de afirmação, de assunto, de instrumento, de meio, de companhia.
Exemplos:
  • Gustavo certamente será aprovado no próximo concurso. (afirmação)
  • Rafael provavelmente gostará desas aulas. (dúvida)
  • Vocês brevemente estarão no serviço público. (tempo)
  • Saiu com os amigos. (companhia)
  • Falava-se sobre a guerra ao terrorismo. (assunto)
  • Escrevia a lápis. (instrumento)
  • Andava de trem. (meio)
  • Andava lentamente. (modo)
4. Flexão do advérbio O advérbio é uma classe invariável em gênero e número, mas flexiona-se em grau. À semelhança do adjetivo, o advérbio admite dois graus: comparativo e superlativo.
  • Grau comparativo
    • de igualdade: tão + advérbio + quanto (ou como). Exemplos:
      • "Renato fala tão alto quanto João" ou
      • "Renato fala tão alto como João".
    • de inferioridade: menos + advérbio + (do) que. Exemplos:
      • "Ele agiu menos rápido do que eu" ou
      • "Ele agiu menos rápido que eu".
    •  de superioridade:
      • analítico: mais + advérbio + que (do que). Exemplos:
        • "Carlos salta mais alto do que Paulo" ou
        • "Carlos salta mais alto que Paulo".
      • sintético: melhor ou pior que (do que). Exemplos:
        • "Roberto fala pior do que José" ou
        • "Roberto fala melhor que José".
    • Grau superlativo absoluto:
      • analítico: acompanhado de outro advérbio. Exemplo:
        • "Sandra dança muito bem" .
      • sintético: formado com sufixos. Exemplo:
        • "Sandra dança rapidíssimo".

5. Emprego dos advérbios
  • Otimamente e pessimamente são as formas irregulares do grau superlativo absoluto sintético de bem e mal. Exemplo:
    • "Tudo ocorreu otimamente." (= muito bem)
  • Certos advérbios podem apresentar-se no diminutivo ou repetidos, mas ambos com valor de superlativo. Exemplos:
    • "Hoje cheguei cedinho." (= muito cedo)
    • "Todos chegaram cedo, cedo."
      • OBSERVAÇÃO: O sufixo -inho, tem valor diminutivo na propriedade do substantivo. Portanto, usa-se -inho quando significar diminição do tamanho do ser: sapatinho (sapato pequeno). A palavra cedinho não tem valor diminutivo e sim, valor superlativo, ou seja, ele aumenta ou amplia o valor do termo.
  • Quando se coordenam dois ou mais advérbios terminados em -mente, pode-se usar esse sufixo em todos ou apenas no último advérbio. Exemplos:
    • Ele estudava atenta, tranquila e sossegadamente.
    • Ele estudava atentamente, tranquilamente e sossegadamente.
  • Antes de particíopios, usam-se as formas analíticas: mais bem, mais mal. Exemplo:
    • Aqueles cadidatos estão mais bem (mais mal) preparados que os outros.
    • Esses são os projetos mais bem (mais mal) elaborados que já vi.
  • Tampouco equivale a também nãonem. É usado após oração declarativa. Exemplo:
    • Ele não se interessa pelo estudo tampouco (nem) pelo trabalho.
6. Palavras e locuções denotativas As palavras e locuções denotativas assemelham-se a advérbios, mas não possuem uma classificação especial, segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira.
  • de exclusão: só, salvo, menos, apenas, senão, etc. Exemplos:
    • Todos saíram, menos ela.
    • "Tu, só tu, puro amor..." (Camões)
  • de inclusão: também, até, mesmo, inclusive, etc. Exemplos:
    • Nosso colega é ótimo em tudo, até nas artes.
    • Esperem-me, eu também vou.
  • de situação: mas, então, agora, afinal, etc. Exemplos:
    • Mas quem foi?
    • Então, que fazer por aqui?
    • Afinal, quem seria capaz de acusá-lo?
  • de designação: eis. Exemplo:
    • Eis nosso barco!
  • de retificação: aliás, ou melhor. Exemplos:
    • Aliás,não foi isso que prometi.
    • Éramos dez, ou melhor, nove homens feitos.
  • de realce (expletiva, pode ser retirado da frase sem prejudicar o sentido): cá, lá, só, é que, ainda, mas, etc. Exemplos:
    • Você lá sabe oq ue está dizendo, homem...
    • Mas que olhos lindos!
    • Veja so que maravilha!
    • Ele é que ganhou o prêmio?
  • de explicação: isto é, por exemplo, a saber, ou seja, etc. Exemplos:
    • Ele falhou conosco, isto é, deixou de cumprir os contatos que firmamos junto à empresa.
continua...

Imagem: http://nied-alfamat.blogspot.com.br/2011/10/adverbios-no-jclic.html

0 comentários:

Postar um comentário