Operadores argumentativos - Exercícios

01. (IPAD/GOV.PE) Análise as afirmações a seguir, acerca de recursos linguísticos utilizados.

1. No trecho: "Se a pessoa for "leiturizada", ou seja, já souber como se estrutura um texto...", a expressão sublinhada foi empregada para introduzir uma retificação. 

02. "exigido bestamente em concursos públicos" equivale semanticamente a "exigido despropositadamente em concursos públicos". 

03. No trecho: "Como sempre tive o costume de escrever, às vezes, fico a pensar:", o segmento sublinhado tem valor causal. 

04. O pronome sublinhado no trecho: "pessoas que leem bastante e frequentam ambientes nos quais prevalece o uso da língua padrão..." poderia ser substituído por "em que", preservando-se o sentido. 

Estão corretas:
a) 1, 2, 3 e 4
b) 2, 3, e 4, apenas
c) 1, e 3, apenas
d) 2 e 4, apenas
e) 1, 3 e 4, apenas

2. Observe que em "E para que esse sonho não fique só na cabeça, o projeto já começou a ser colocado em prática.", a locução sublinhada expressa uma relação de 'finalidade'.

Analise, nas alternativas abaixo, as relações semânticas expressas pelos termos sublinhados. (Verdadeiro ou Falso)

1. Como esse sonho não ficou só na cabeça, o projeto já começou a ser colocado em prática. (Expressa-se uma relação de causalidade). 

2. Desde que esse sonho não fique só na cabeça, o projeto vai começar a ser colocado em prática. (Expressa-se uma relação de condição).

3. O projeto deve começar a ser colocado em prática, se é que esse sonho não ficou só na cabeça. (Expressa-se uma dúvida em relação à possibilidade de realização do que foi afirmado).

4. Contanto que esse sonho não fique só na cabeça, o projeto começará a ser colocado em prática. (Expressa-se uma relação de temporalidade).

5. O projeto já começou a ser colocado em prática, por mais que o sonho pareça ter ficado só na cabeça. (Expressa-se uma relação de concessão).

3. (IPAD-PE/SENAC) Acerca das relações lógico-semânticas presentes no Texto 1, analise o que se afirma a seguir. (Verdadeiro ou Falso)

1. "os resultados do IDEB no Brasil vêm demonstrar o porquê da dificuldade de o país atingir níveis sociais parecidos com os do "primeiro" mundo, apesar das riquezas naturais, de certos setores que alavancam a economia e das inteligências, que não ficam atrás das melhores cabeças do mundo". - Nesse trecho, evidencia-se uma relação concessiva. 

2. "Enquanto as autoridades não olharem com interesse o problema da educação no Brasil, qualquer investimento social não vai  apresentar resultados duradouros." - Nesse trecho, há concomitância temporal entre as ideias apresentadas.

3. "A escola deveria ser o complemento, o que dá as ferramentas, o estofo e o embasamento para exercício da cidadania, com seus direitos e deveres. Porém, infelizmente, o que temos no nosso país são muitos maus modelos". - Nesse trecho, o termo sublinhado sinaliza uma mudança na orientação argumentativa.

4. "Não adianta a tecnologia avançada, computadores de última geração em casa ou nas salas de aula, se a criança não tiver a cabeça feita, uma boa formação, que lhe oriente como aproveitar de maneira inteligente todo esse conhecimento". - Nesse trecho, pode-se reconhecer uma relação condicional.

Estão corretas: 
a) 1 e 2, apenas
b) 1 e 3, apenas
c) 3 e 4, apenas
d) 1, 2 e 4, apenas
e) 1, 2, 3 e 4

5. (COVEST/UFPE-UFRPE) Articule as informações abaixo em um ou dois períodos. Use os conectores adequados para sinalizar as dependências semânticas entre essas informações. Faça as adaptações que julgar necessárias.

1) A medicina estética progrediu muito.
2) Os recursos de 30 anos atrás parecem, atualmente, medievais.
3) Junto com as novidades, surgiu uma série de riscos.
4) Os pacientes preferem encarar os riscos.

6. (FBV-PE) Reúna, em um único período, as informações expressas nos segmentos abaixo. Estabeleça entre os segmentos 'A' e 'D' uma relação explícita de concessão.

A - A leitura virou uma espécie de mito da sociedade moderna.
B - Pela atividade da leitura, ampliamos nosso repertório de informações.
C - É possível, pela leitura, conhecer melhor as particularidades da escrita.
D - A leitura continua sendo um hábito raro e restrito a poucos.

 Português Prático

Operadores argumentativos

Considerações iniciais
No campo da Semântica Argumentativa, os operadores ou marcadores argumentativos (também conhecidos como 'articuladores textuais' ou 'marcadores discursivos') são palavras responsáveis pela sinalização da argumentação.

São certos elementos da língua, explícitos na própria estrutura gramatical da fase, cuja finalidade é a de indicar a argumentatividade dos enunciados. Eles introduzem variados tipos de argumentos.

As palavras que funcionam como operadores argumentativos são os conectivos, os advérbios e outras palavras que, dependendo do contexto, não se enquadram em nenhuma das dez categorias gramaticais.
O usuário da língua deve se conscientizar do valor argumentativo dessas marcas para que as perceba no discurso do outro e as utilize com eficácia no seu próprio discurso.

Alguns tipos de operadores argumentativos

  • Operadores que introduzem argumentos que se somam a outro, tendo em vista a mesma conclusão: e, nem, também, não só... mas também, além disso, etc.
  • Operadores que introduzem enunciados que exprimem conclusão ao que foi expresso anteriormente: logo, portanto, então, consequentemente, etc.
  • Operadores que introduzem argumentos que se contrapõe a outro (mudança na direção argumentativa), visando a uma conclusão contrária: mas, porém, todavia, embora, ainda que, apesar de, etc.
  • Operadores que introduzem argumentos alternativos: ou... ou, quer... quer, seja... seja, etc.
  • Operadores que estabelecem relações de comparação: mais que, menos que, tão... quanto, tão... como, etc.
  • Operadores cuja função é introduzir enunciados pressupostos: agora, ainda, já, até, etc.
  • Operadores cuja função é introduzir enunciados, que visa a esclarecer um enunciado anterior: isto é, ou seja, quer dizer, em outras palavras, etc.
  • Operadores cuja função é orientar a conclusão para uma afirmação ou negação: quase, apenas só, somente, etc.
Outros aspectos discursivos
Quando lemos artigos de jornais e revistas que defendem certas teses, estamos diante da formação de pontos de vista, visões de mundo que têm o objetivo de influenciar idéias opiniões, princípios das pessoas, de definir ou redefinir posições, de formar ou reformar atitudes. Em qualquer dos casos, busca-se efetivar o convencimento.

Intencionalidade discursiva
Percebemos que a escolha de palavras e expressões, o encadeamento e a interdependência de idéias, o domínio de conectivos são algumas das características da comunicação persuasiva que influenciam diretamente na argumentação de um texto,  são, portanto, elementos que marcam a intencionalidade na persuasão.

Força e orientação argumentativa
De acordo com Koch (1992:30), aparecem vários “operadores argumentativos” em um texto, “para designar certos elementos da gramática de uma língua que têm por função indicar a força argumentativa dos enunciados, a direção (o sentido) para que apontam”.

Esses conectores são responsáveis pela estruturação e orientação argumentativa dos enunciados no texto. Quando compreendemos uma sequencia relacionada por um conectivo não deciframos apenas o seu significado, mas aplicamos idéias, visão de mundo, bagagem cultural que temos, relacionadas ao uso do conectivo para reconstruir o sentido do texto.

Outros operadores bastante empregados:
  • Estabelecem a hierarquia numa escala, assinalando ideia de inclusão de elementos. (inclusive, até, mesmo, até mesmo...)
    • Até o auxiliar participou da reunião com a diretoria da empresa.
  • Estabelecem a hierarquia numa escala, assinalando o elemento mais fraco. (ao menos, pelo menos, no mínimo...)
    • Ele poderia ter-nos dado ao menos um telefonema para avisar que chegou bem.
  • Ligam elementos de duas ou mais escalas orientadas no mesmo sentido. (e, também, nem, tanto... como, não só... mas também, além de, além disso).
    • Ele não somente estuda, como também trabalha muito.
  • Introduzem um argumento decisivo. (além do mais, de uma vez por todas...)
    • Ele não tem um perfil adequado para função. Além do mais, é analfabeto!
 Português Prático

Curso Português Prático

Você sabia que as pesquisas apontem que 93% das pessoas no país tem alguma dificuldade com o Português? Não é culpa delas, é claro, mas do sistema de ensino, de como a Língua Portuguesa foi ensinada a elas.

O curso Português Prático é o método mais inovador, prático e eficiente para se aprender Português para provas, concursos e até mesmo para a vida. É um pacote completo e bem elaborado para que qualquer pessoa consiga aprender 100%. 

O curso Português Prático é ministrado em um painel de ensino totalmente online e é ensinado por meio de vídeo aulas e da Gramática Prática, a primeira e única Gramática Digital do Brasil, totalmente planejada e desenhada para que qualquer pessoa possa aprender Português de forma eficiente. 

O diferencial do curso Português Prático é a proximidade com o aluno por meio do suporte pessoal em caso de dúvidas, algo que não se vê em outros cursos do mesmo gênero. É simplesmente a forma mais prática e eficiente para se aprender Português de forma definitiva.

 Curso Português Prático
  • São cerca de 30 vídeo aulas práticas (gramática, redação, exercícios);
  • Possibilidade de download de áudio-aulas em mp3;
  • Acesso ilimitado e sem expiração de conteúdo (comprou, é seu!);
  • Acesso a Gramática Digital (frequentemente atualizada);
  • Suporte por email em caso de dúvidas (respostas em até 24h);
  • Conteúdo frequentemente atualizado com opinião dos alunos;
  • Lista de exercícios + vídeo aulas de resolução.

Linguagem, língua e fala - A tríade que constitui a comunicação

Conceito de linguagem
Chamamos de linguagem o conjunto organizado de sinais que cada pessoa utiliza para se comunicar. Assim, as palavras, os gestos, as músicas, as placas de trânsito fazem parte da linguagem, pois servem como meio de comunicação entre os indivíduos. 

LANÇAMENTO DO BLOG REDAÇÃO PARA CONCURSOS

Estudar redação passa por três campos que convergem na hora da produção textual. O primeiro deles, o linguístico, engloba os conhecimentos relativos ao vocabulário (léxico) e à gramática. O segundo, o conhecimento enciclopédico, abrange o conhecimento de mundo; é oriundo de vivências pessoais e, por fim, as técnicas ou caminhos que se devem seguir para alcançar a tão desejada nota máxima em concursos públicos, vestibulares, Enem, etc. É aqui que entra o nosso blog "Redação para concursos". 
Redação para concursos será um blog com uma série de dicas sobre produção textual, aprofundando alguns pontos importantes com vistas a suprir lacunas dos bancos escolares e de alguns preparatórios, buscando o desenvolvimento da percepção do texto dissertativo, da produção textual voltada para concursos e das questões discursivas. 

Nos primeiros posts falaremos sobre os princípios da prática textual. Quando falamos sobre princípios da prática textual inclui se aí a parte de como escrever bem. Escrever bem é uma coisa que vamos aprendendo e vamos avançando paulatinamente, burilando, lapidando algumas coisas, percebendo alguns inconvenientes na construção textual, observando elementos relevantes, além da correção gramatical, como a adequação, a competência comunicativa e alguns elementos e fatores linguísticos e extralinguísticos. 

Vamos começar construindo a base, é claro, com o seu conhecimento, alicerce importante para chegar ao texto dissertativo, a redação para concursos. Vamos trabalhar um pouco a ampliação vocabular, a adequação do seu vocabulário, a construção de palavras e elementos com palavras chaves importantes na construção do parágrafo, vamos compreender a elaboração de frases e seus princípios mais importantes. Estudaremos aqui também as qualidades e os defeitos do texto e a construção do texto dissertativo entre outros temas.

Se você quer realmente escrever bem, se você quer produzir um bom texto, uma boa redação para concursos, siga passo a passo as nossas recomendações, a cada publicação vamos sempre estar mostrando dicas oportunas sobre como produzir um bom texto, uma boa redação para concursos, ou para vestibulares, ou para o Enem. Esperamos vocês sempre por aqui participando, lendo e comentando nossas postagens. (Fonte: Redação para concursos).